Aumentar tamanho da letra  Reverter ao tamanho original Diminuir tamanho da letra  português english

Atchim! Você sabe por que espirramos?

Por: Paula Renata Fontoura

Foto: James Gathany/CDC

Foto: James Gathany/CDC

Pode ser por gripe, por alergia ou por olhar diretamente para o sol. Mas por que espirramos? A pergunta ronda a humanidade há milhares de anos: não é à toa que, em diversas culturas, desde os tempos do Império Romano, temos o costume de dizer saúde! para quem espirra.

Esse costume milenar expressa o desejo pelo bem-estar da pessoa que espirra e a preocupação do que pode vir a acontecer com ela. Antigamente o espirro era associado a doenças graves, que poderiam levar à morte. Além disso, historiadores contam que, em culturas ancestrais, muito influenciadas por crenças religiosas, o espirro era considerado um mau presságio – isto é, a indicação de que algo de ruim aconteceria. Para se ter uma ideia, na Roma Antiga, a resposta para o atchim! era que Júpiter cuide de você, em referência aos deuses.

O tempo passou, hoje sabemos que o espirro não é um mau presságio e que ele não indica, necessariamente, a ocorrência de uma doença grave. Mas a mania de dizer saúde! quando ouvimos atchim continua. Na Alemanha, diz-se gesundheit , traduzindo, saúde. Nos países árabes, a resposta para o atchim é Alhamdulillah – ou louvado seja Deus. Já os russos exclamam bud zdorov (seja saudável) e os chineses bai sui (que você viva cem anos).

Mas, afinal, por que espirramos? Vamos descobrir?

O espirro é uma reação involuntária do nosso organismo, provocada principalmente pela presença de micro-organismos em nossas vias respiratórias, isto é, no nariz, na garganta e na boca. Esses micro-organismos podem ser vírus ou bactérias, relacionados a doenças como gripes e resfriados, ou partículas como pólen e poeira, que incomodam bastante quem tem alergia a essas substâncias. Quando nosso organismo detecta a presença desses micro-organismos, providencia um espirro – um forte jato de ar que sai pelo nariz e a boca e pode chegar a até 160 km por hora! Junto com todo esse ar lá se vão os micro-organismos intrusos!

Para que isso aconteça, o nosso organismo aciona outras partes do corpo, além do nariz, da garganta e da boca. Quando o chamado nervo trigêmeo identifica a presença dos micro-organismos ou partículas irritantes, ele comanda a contração de músculos das costas e do abdômen, do tórax e das costelas, de forma a encher o pulmão com bastante ar. Depois, todo esse ar é expelido de uma vez só, em um sonoro atchim!

Mas nós também espirramos quando o sol bate diretamente em nossos olhos. Esse outro tipo de atchim é chamado de espirro de reflexo fóptico. Fóptico significa o que tem relação com a luz. Logo, esse tipo de espirro é provocado por estímulos luminosos, como o sol ou mesmo uma lâmpada muito forte. Isso acontece quando um feixe de luz chega de repente aos nossos olhos e estimula o nervo óptico, que então envia sinais para que o cérebro contraia a retina, protegendo-a dessa fonte de luz. Como o nervo óptico está localizado bem pertinho do nervo trigêmeo, acaba acontecendo uma confusão! O nervo trigêmeo também recebe o recado do nervo óptico, entende que está ocorrendo uma irritação nasal e providencia aquele sonoro atchim!

Tenho certeza que você também tem uma história engraçada para contar sobre espirro!

Saúde para todos nós!

Consultoria: Tereza Costa - Museu da Vida / Fiocruz.

versión para imprimir: versión para imprimir