Aumentar tamanho da letra  Reverter ao tamanho original Diminuir tamanho da letra  english español

Os helmintos do amarelão

Por: Irene Cavaliere

Necator americanus e Ancylostoma duodenale – você já teve o desprazer de conhecê-los?

Esses dois helmintos são os responsáveis pela ancilostomose, ou amarelão, uma doença que, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), atinge cerca de 740 milhões de pessoas em todo o mundo e incide principalmente sobre as populações mais pobres e desfavorecidas das regiões tropicais e subtropicais (dados de 2008).

A ancilostomose é uma doença muito antiga. Já foram encontrados ovos do parasito em sítios arqueológicos no Brasil que datam de 3.500 a 7 mil anos. No Peru, foram encontrados vestígios de vermes adultos do A.duodenale numa múmia com data de 900 a.C.

Como o Necator americanus é encontrado principalmente na África tropical, nas Américas e ilhas do Pacífico e o Ancylostoma duodenale predomina nos países do Hemisfério Norte e Ásia, essas descobertas sugerem que as migrações vindas da Ásia foram as responsáveis pelo parasitismo no período pré-colombiano, e que, posteriormente, o N.americanus penetrou no continente americano devido ao tráfico de escravos.

A única fonte de infecção para a ancilostomose é o ser humano. Nas fezes da pessoa contaminada com o verme adulto existem ovos, que se desenvolvem em larvas no ambiente. Quando entram no corpo humano, as larvas medem cerca de meio milímetro. Para ter ideia do que este tamanho significa, observe uma régua comum: a larva tem mais ou menos a metade do tamanho da menor divisão da régua.

As larvas entram na gente perfurando a pele e atingem a circulação. Pelo sangue, são levadas ao coração e pulmões, até chegar no intestino delgado, onde se fixam, se alimentam, crescem e se reproduzem. No caso do Ancylostoma duodenale, a contaminação pode-se dar também pela ingestão das larvas em alimentos ou água contaminada, o que facilita seu caminho até o intestino.

Esta é uma larva que causa o amarelão, vista ao microscópio de luz . Ela mede cerca de 0,5 mm de comprimento. Dentro do corpo humano, o verme fica mais de 20 vezes maior e pode chegar a 1,3 cm.Fonte:www.cdc.gov

Esta é uma larva que causa o amarelão, vista ao microscópio de luz . Ela mede cerca de 0,5 mm de comprimento. Dentro do corpo humano, o verme fica mais de 20 vezes maior e pode chegar a 1,3 cm.Fonte:www.cdc.gov

É neste órgão que os vermes se fixam por meio de estruturas semelhantes a dentes, que “raspam” o interior do intestino. O sangue é o alimento dos vermes. Cada Necator americanus suga de 0,03 a 0,06 mL de sangue por dia. Eles podem viver de 4 a 5 anos dentro do hospedeiro e, nesse período, as fêmeas chegam a colocar 9 mil ovos por dia! Ficou assustado? O Ancylostoma duodenale é ainda mais impressionante! O verme adulto suga de 0,15 a 030 mL de sangue por dia, pode viver de 6 a 8 anos e as fêmeas colocam entre 20 e 30 mil ovos por dia!

Detalhe da boca de <em>Necator americanos</em> (esq) e <em>Ancylostoma duodenale</em> (dir).<br>Observe os “dentes”. Esta imagem foi feita com um microscópio eletrônico,<br>e ampliada centenas vezes. As cores não são reais. Fonte:OMS

Detalhe da boca de Necator americanos (esq) e Ancylostoma duodenale (dir).
Observe os “dentes”. Esta imagem foi feita com um microscópio eletrônico,
e ampliada centenas vezes. As cores não são reais. Fonte:OMS

Dentro do intestino,<br>os vermes ficam adultos<br>e se reproduzem.

Dentro do intestino,
os vermes ficam adultos
e se reproduzem.

A doença é percebida quando a perda de sangue começa a causar palidez, desânimo, dificuldade de raciocínio, cansaço e fraqueza – por isso o apelido “amarelão”. Esses sintomas prejudicam a capacidade de trabalho e aprendizagem. Outros sintomas são: dores musculares, abdominais e de cabeça, hipertensão, tonturas e ausência de menstruação nas mulheres. A ancilostomose é ainda mais perigosa nas grávidas, afetando o desenvolvimento do feto, e nas crianças, podendo ocasionar retardo mental e físico.

Apesar de raramente ser letal, a ancilostomose tem grande impacto no desenvolvimento de populações de baixa renda. Para combater esse problema mundial, a OMS divulgou uma diretriz para tratar e prevenir o amarelão. A meta da organização inclui vermifugar 75% das crianças em idade escolar que vivem sob o risco de contaminação, através da administração periódica de remédios contra vermes e vitamina A para combater complicações associadas à anemia. Programas desse tipo já foram implementados no Nepal, Uganda, Equador e Camboja , sempre obtendo bons resultados.

Campanha no Nepal. Fonte: OMS.

Campanha no Nepal. Fonte: OMS.

No entanto, o tratamento não impede que as pessoas se reinfectem, já que a doença está ligada a condições de saneamento, como presença de rede de esgoto e tratamento de água. Por isto, a melhoria da condições de vida é fundamental no combate ao amarelão e outras verminoses.

No Brasil, já em 1918, Monteiro Lobato alertava sobre as consequências das verminoses na história do personagem Jeca Tatu. Quer conhecer essa história? Clique aqui: Monteiro Lobato e a origem de Jeca Tatu

Fontes:
REY, Luís. Parasitologia. Parasitos e doenças parasitárias do homem nas Américas e na África. 3ª ed.. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001. pp. 591-614.
http://whqlibdoc.who.int/hq/2005/WHO_CDS_CPE_PVC_2005.14.pdf
http://www.who.int/features/2008/worm_control/en/
http://www.who.int/wer/2008/wer8327_28.pdf

Consultoria: Tereza Costa - Museu da Vida / Fiocruz

versão para impressão: versão para impressão