Aumentar tamanho da letra  Reverter ao tamanho original Diminuir tamanho da letra  english español

Lâmpada fluorescente ou eletrônica

Por: Irene Cavaliere

1. Lâmpadas fluorescentes no metrô

1. Lâmpadas fluorescentes no metrô

Pense em um local que precise de iluminação bem clara para todo o ambiente, acesa o tempo todo. O consumo de energia deve ser bastante alto, não é? Por isso, em lugares como escolas, escritórios e hospitais, a iluminação é feita com lâmpadas fluorescentes, também conhecidas como lâmpadas eletrônicas. Elas são mais econômicas e funcionam segundo o princípio da luminescência.

 

2. Ponteiros fosforescentes

2. Ponteiros fosforescentes

Uma substância é luminescente quando emite luz visível a baixa temperatura ao receber algum estímulo –  por exemplo, luz ultravioleta, reações químicas ou radiação. Essa luminescência pode ser fluorescente, quando a luz só é emitida enquanto dura o estímulo; ou fosforescente, quando a emissão de luz vai ocorrendo aos poucos, após o estímulo já ter sido interrompido, como se vê em ponteiros de relógios, por exemplo.

Lâmpada de descarga

3. Lâmpadas tubulares

3. Lâmpadas tubulares

A lâmpada fluorescente é uma lâmpada de descarga, ou seja,  ilumina devido a uma corrente elétrica fluindo através do gás no tubo de vidro. Outras lâmpadas também funcionam por esse mecanismo (veja em Outros tipos de lâmpadas). As fluorescentes possuem em seu interior mercúrio líquido e um gás inerte mantidos sob baixa pressão – pois em alta pressão os gases dificilmente conduzem corrente elétrica.

Assim, quando acionamos o interruptor, a energia transforma os átomos de mercúrio em vapor, produzindo luz ultravioleta, que, por sua vez, faz o tubo de vidro, coberto de phosphor – um material à base de fósforo – produzir luz visível.  Ou seja, quem é fluorescente nessa história toda é o fósforo.

Consumo de energia

Como praticamente não desperdiçam energia em calor, as lâmpadas frias são mais econômicas que as incandescentes: possuem eficiência luminosa de 3 a 6 vezes superior (de 50 a 80 lm/W), vida útil de 4 a 15 vezes mais longa (podem durar acima de 10 mil horas) e cerca de 80% de redução de consumo de energia.

4.Fluorescente compacta de luz amarelada

4.Fluorescente compacta de luz amarelada

Antigamente, as lâmpadas fluorescentes eram instaladas basicamente em lugares públicos, como escritórios e lojas; nas casas, ficavam apenas nas cozinhas e banheiros. Era necessária uma instalação diferente para o formato de tubo comprido, e a luz que elas emitiam, de um branco azulado, cansava a visão. Atualmente, usando combinações de fosforosos diferentes e modernizando os reatores, os fabricantes conseguiram variar a cor da luz e desenvolveram as lâmpadas compactas, que encaixam nos mesmos bocais das incandescentes.

Liga-e-desliga

5. Interruptor

5. Interruptor

Com isso, para economizar na conta de luz, as pessoas começaram a utilizar as lâmpadas fluorescentes em todos os cômodos das casas. Mas essas lâmpadas são mais caras e para que a relação custo/benefício seja vantajosa é preciso observar alguns aspectos: um deles é o “liga-e-desliga”.

Provavelmente, você já ouviu alguém reclamar quando a luz de um ambiente é deixada acesa sem ninguém dentro. Mas se a lâmpada em questão for fluorescente, o errado é ficar acendendo e apagando toda hora!  O momento em que a lâmpada fluorescente consome mais energia é no seu acendimento (mas ainda menor do que na incandescente). Além disso, o número de acendimentos de uma lâmpada fluorescente reduz sua vida útil. Por isso, só vale a pena apagar a luz se o tempo de desligamento for superior a 15 minutos.

Desvantagens ambientais

Outro aspecto muito importante em relação a esse tipo de lâmpada é o seu descarte. Por possuírem mercúrio e fósforo, não podem ser jogadas no lixo comum. Esses elementos são extremamente tóxicos para o homem e para o meio-ambiente. O fósforo favorece o surgimento de câncer e provoca lesões nos rins e no fígado. O mercúrio pode afetar a pele, olhos, vias respiratórias e sistema nervoso.

6. Ilustração

6. Ilustração

No Brasil, a reciclagem dessas lâmpadas ainda é muito cara e pouco realizada. Apenas 6% das lâmpadas fluorescentes são recicladas, sendo que 100 milhões são consumidas por ano!  Para onde vão o mércúrio e o fósforo dos outros 94%?

 

Fotos

1. Oimax / Flicr

2. Roger Smith / Flicr

3. Press Release Finder / Flicr

4. KClvey / Flicr

5. Seve StJude / Flicr

6. http://natureza.colorir.com

versão para impressão: versão para impressão