Aumentar tamanho da letra  Reverter ao tamanho original Diminuir tamanho da letra  english español

Líderes contra a Tuberculose

Por: invivo

Cartaz da campanha da OMS

Cartaz da campanha da OMS

A Organização Mundial da Saúde (OMS) lança, em 24 de março, Dia Mundial da Tuberculose, a campanha Líderes para um Mundo Livre da Tuberculose, visando mobilizar comunidades na luta contra esta doença que é uma das principais causas de morte no planeta.

Cerca de um terço da população mundial está infectada com o bacilo da tuberculose, mas apenas uma pequena parte desenvolve a moléstia. Em 2016, cerca de 10,4 milhões de pessoas adoeceram com tuberculose, das quais cerca de um milhão eram crianças. Foram 1,7 milhão de mortes, sendo 250 mil crianças e 400 mil com HIV.

O Brasil ocupa o 20º lugar na lista da OMS dos 30 países com maior incidência da doença. A cada ano são notificados cerca de 70 mil casos novos e 4,5 mil mortes devido à tuberculose. Amazonas (69,3 por 100 mil habitantes) e Rio de Janeiro (64,5 por 1000) são os estados com maior incidência.

A doença

A tuberculose é uma moléstia infecciosa e transmissível, causada principalmente pela bactéria Mycobacterium tuberculosis ou bacilo de Koch. Ela afeta prioritariamente os pulmões, mas pode atacar também outros órgãos e sistemas, como ossos, rins, olhos e meninges.

A tuberculose é transmitida através de gotículas expelidas quando pessoas com a doença falam, espirram ou tossem. Os sintomas iniciais são tosse persistente, febre vespertina, suores noturnos, emagrecimento, cansaço. A doença tem cura e o tratamento, no Brasil, é gratuito e está disponível na rede pública de saúde.

Alguns grupos tem maior possibilidade de desenvolver a doença: pessoas com o sistema imune comprometido, como as infectadas pelo HIV; desnutridos, aqueles privados de liberdade, indígenas e população de rua. No Brasil, a média de registros de tuberculose em prisioneiros é de 932 por 100 mil. No Rio, o campeão de casos de tuberculose em população carcerária, quase dois mil a cada 100 mil presos têm tuberculose ativa.

Hoje, o maior desafio na luta contra a moléstia é a tuberculose multirresistente, isto é, aquela em que a bactéria não é afetada pelos antibióticos mais usados contra a doença.

versão para impressão: versão para impressão