Aumentar tamanho da letra  Reverter ao tamanho original Diminuir tamanho da letra  english español

Os dinossauros do Brasil

Por: Wagner Oliveira

Rondon II

Rondon II

Os dinossauros caíram definitivamente no gosto popular depois que Hollywood decidiu deslocá-los da pré-história para as telas de cinema do mundo inteiro. Spielberg transformou lagartões do passado, encontrados na América do Norte, como o Tiranossaurus rex, os velociraptors e os corpulentos dinos herbívoros de pescoço longo em astros de primeira grandeza, embutindo lições de genética, ética e preservação ambiental nos seus roteiros de Parque dos Dinossauros e Mundo Perdido.

Tudo bem ao gosto do cinemão americano. Mas caso o famoso cineasta decidisse usar animais de outras partes do mundo em seus roteiros pré-históricos, poderia escalar tranquilamente no elenco dinos que viveram em terras que hoje compõem o Brasil. Eles são tão grandes e diversificados como os parentes norte-americanos, como estão comprovando os achados em paleontologia registrados no Brasil a partir da década de 80.

Isso mesmo! Temos dinossauros em profusão embaixo dos nossos pés! Confira:

Um dos mais novos dinossauros carnívoros gigante é brasileiro. Com sete metros de comprimento por quase três de altura, o predador brutamontes foi desenterrado na região onde hoje fica a Chapada dos Guimarães, no Mato Grosso. Viveu ali há 80 milhões de anos, durante o período Cretáceo, e entrou para a lista das maiores e mais temidas feras de todos os tempos. A fera foi inicialmente apelidada de Rondon II, numa homenagem ao Marechal Cândido Rondon.Depois recebeu o nome de Pycnonemosaurus nevesi ou Picnonemossauro. Rondon I refere-se a um dino herbívoro encontrado em Minas Gerais (veja box adiante)

Ao lado de criaturas assustadoras como o Tyrannosaurus rex e do galalau argentino Giganotossauro carolini, Rondon II era um dos gigantes que reinavam no topo da cadeia alimentar da pré-história. A equipe do Museu Nacional e do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), do Rio de Janeiro, encontrou várias costelas, tíbia, vértebras da cauda, bacia e vários dentes do animal, sendo dois em excelente estado. "Sabíamos que era um fóssil importante. Uma análise mais detalhada acabou mostrando que tínhamos um grande carnívoro", explica o paleontólogo Alexander Kellner.

A possibilidade de existência de grandes carnívoros no Brasil era um mistério que intrigava os paleontólogos. Até a descoberta do animal do Mato Grosso, a maioria dos achados referentes a carnívoros no país era de dentes fossilizados.

Dente de dinossauro carnívoro, no Maranhão

Dente de dinossauro carnívoro, no Maranhão

O dinossauro brasileiro tem traços típicos de outros gigantes carnívoros. Os dentes com esmalte enrugado, que facilitavam a abertura do couro das presas, são iguais aos do Giganotossauro. O formato das vértebras é similar ao do Carnotaurus, outro grande predador. "Todos são animais bem grandes e próximos na cadeia evolutiva", diz Kellner.

Mas Rondon II provavelmente não foi o único grande predador que viveu no território brasileiro na pré-história. No Maranhão já foram descobertos dezenas de dentes de Carcharodontosaurus saharicus, outro gigante que tinha mais de dez metros de comprimento por quatro de altura, também encontrado na África.

Saiba mais sobre nossos dinossauros:

Um raptor brasileiro

Angaturama - o comedor de peixes

Gondwanatitan - um gigante herbívoro

Rondon I renasce da rocha

Sacissauro

Dinossauros: os lagartos terríveis

versão para impressão: versão para impressão