Aumentar tamanho da letra  Reverter ao tamanho original Diminuir tamanho da letra  english español

Cuide do seu coração

Por: Irene Cavaliere

 

Problema cardíaco é coisa de adulto, certo? Errado. Crianças e adolescentes também sofrem de doenças do coração, que podem ser congênitas, ou seja, de nascimento, ou adquiridas ao longo da vida.

 

Ilustração: Barbara Mello

Ilustração: Barbara Mello

Oito em cada 1000 crianças nascem com problemas cardíacos e precisam ser operadas logo nos primeiros anos de vida, segundo Regina Muller, cardiologista pediátrica do Instituto Nacional de Cardiologia, em Laranjeiras.  Dentre as chamadas cardiopatias congênitas, as mais comuns são as conhecidas como C.I.A., comunicação inter-atrial, e C.I.V., comunicação inter-ventricular. Ambas referem-se a existência de passagens entre as câmaras do coração, permitindo o fluxo de sangue entre elas. O tratamento envolve a colocação de uma prótese que impedirá a comunicação entre os dois lados. Além de fatores genéticos, esses tipos de problemas podem ser causados por complicações com a mãe durante a gravidez, como infecção por rubéola, diabete ou pelo uso de alguns medicamentos.

 

Entre as chamadas cardiopatias adquiridas, as mais comuns são a febre reumática e a hipertensão. A febre reumática é uma doença séria que atinge principalmente crianças na faixa dos 5 aos 15 anos. Começa com uma dor de garganta, causada por uma infecção pela bactéria  Streptococcus pyogenes. Em seguida, devido a um distúrbio autoimune que nem todas as pessoas desenvolvem, os anticorpos produzidos pelo corpo, ao invés de atacarem a bactéria invasora, agridem o próprio organismo, principalmente o coração, as articulações e o sistema nervoso. Por isso, é muito importante que se faça o tratamento correto enquanto o problema ainda está localizado apenas na garganta. Se não for bem tratada, a febre reumática pode causar graves lesões nas válvulas do coração, que precisarão de cirurgias de reconstituição ou da troca por próteses.

 

A hipertensão é um problema muito comum nos dias de hoje, que pode levar a doenças mais sérias, como a aterosclerose e o infarto agudo do miocárdio. Apesar da adolescência ser a fase em que o coração desperta para os sentimentos, não é esse o tipo de tensão que pode trazer problemas para o jovem. Um dos fatores responsáveis pela hipertensão é o colesterol, uma gordura presente no sangue que, em grandes concentrações, pode se acumular nas paredes das artérias, diminuindo o espaço de passagem do sangue e aumentando a pressão sanguínea. Durante muito tempo acreditava-se que o aumento do colesterol só começava na terceira década de vida, mas atualmente já se sabe que, desde os dois anos, pode haver uma elevação nos níveis de colesterol no sangue. Assim, para que não haja complicações no futuro, é recomendado que se controle a pressão sanguínea desde cedo.

 

Mas o colesterol não é o único vilão dessa história. Não praticar esportes, comer muito hamburguer e não ter uma dieta balanceada, fumar, ficar gordinho além da conta - tudo isso também contribui para o aumento da pressão arterial e são fatores de risco para a aterosclerose, que é a degeneração e o endurecimento da parede das artérias, normalmente flexíveis. Assim, quando o sangue flui através das artérias endurecidas, a pressão elevada prejudica os tecidos de vários órgãos, como rins e cérebro.

 

Como aqueles maus hábitos citados acima têm se tornado cada vez mais comuns na nossa sociedade, é preocupante o número de crianças e adolescentes hipertensos. O estresse, outro vilão da sociedade moderna, também tem atingido os jovens e contribuído para o crescimento de casos de problemas cardíacos.

 

Para a médica Regina Muller, a prevenção é a melhor maneira de se combater a hipertensão e uma futura aterosclerose. Praticar exercícios, ter uma alimentação mais saudável, controlar o peso e o colesterol, não fumar - estas são medidas simples que ajudam a manter o coração sadio. Já o tratamento para a hipertensão envolve uma mudança nos hábitos do jovem. Por isso, é fundamental o acompanhamento de uma equipe que envolva médicos, enfermeiros, assistentes sociais, psicólogos, nutricionistas e terapeutas ocupacionais. Seguindo esses conselhos, nenhuma paixão será problema para o seu coração.

 

versão para impressão: versão para impressão