Aumentar tamanho da letra  Reverter ao tamanho original Diminuir tamanho da letra  english español

De olho na alimentação

Por: Daniele Souza

Ilustração: Barbara Mello

Ilustração: Barbara Mello

Você acorda, sai correndo para escola, come qualquer coisa em pé, enquanto pega o material para aula, depois segue direto para o curso.  Ou então acorda, atrasado, não come nada, chega ao trabalho, vai para uma reunião estressante, de onde sai para almoçar às três horas da tarde. Você já viu esta história ou algo parecido?  O dia a dia corrido nos leva a descuidar de algo muito importante: a alimentação.

Não existe uma fórmula única para uma alimentação saudável. Cada pessoa deve conhecer seu organismo e o tipo de vida que leva; tem alimentação específica para quem é atleta,  para quem trabalha mais sentado, quem está estudando, quem está na adolescência, quem está na fase de crescimento, na infância etc.

Um grande segredo é fazer  boas compras. Muitas pessoas optam, erradamente, por uma alimentação rica em carboidratos (macarrão, pão, açúcar etc) e lipídeos ( gorduras como azeite, margarina, óleos, manteiga) porque estes alimentos aliviam a fome e fornecem energia para pessoa fazer qualquer  tipo de atividade durante o dia.  Esquecendo, portanto, das proteínas que, junto às vitaminas e aos sais minerais, tem função nobre no organismo: o desenvolvimento de órgãos e tecidos, a renovação celular etc.

Faça o teste: dê uma boa olhada na sua própria geladeira e nos seus armários. O primeiro passo é analisar a própria alimentação! Muitas vezes os carrinhos de supermercado ficam cheios de macarrão, massas, biscoitos, doces, muito mais caros em detrimento de uma verdura, um legume e até uma fruta. Se a questão for o preço, custa mais caro um chocolate do que um pé de alface!

Numa tendência mundial, cada vez mais as pessoas se tornam obesas, e mesmo assim sujeitas a algum tipo de desnutrição, ou seja, a ausência de algum nutriente importante para o organismo. Desnutrido não é só aquela pessoa, magra, que perdeu muito peso por falta de calorias totais e proteínas na alimentação. A falta de minerais, como o ferro, pode causar uma anemia. A carência de vitaminas, associada ou não à carência de outros nutrientes, pode significar desnutrição e afetar o aspecto da pele, deixando-a opaca, ressecada. As unhas podem ficar fracas. O cabelo pode ficar mais quebradiço. As vitaminas são nutrientes protetores, ajudam a pessoa a manter a imunidade, prevenindo doenças, portanto.

Uma boa dieta combina todos os nutrientes necessários  para o organismo sem exagerar em nenhum deles.  Não só carboidratos e lipídeos, como proteínas, minerais e vitaminas, junto às fibras e água. Uma dica é tentar obter uma alimentação mais colorida, que costuma alcançar um equilíbrio entre os nutrientes. Não sabe o que é isso: carboidrato, vitamina? Passe a prestar atenção ao que está comendo. Leia os rótulos. Procure saber o que é caloria, qual a quantidade ideal para o seu corpo; o excesso de calorias pode provocar a obesidade! Coma devagar, degustando a sua refeição.

O excesso de gordura e sal na alimentação pode causar, a longo prazo, doenças cardiovasculares, hipertensão arterial, entre outras coisas.  Outro grande inimigo é o refrigerante. Sim, o refrigerante! O refrigerante é chamado pelos nutricionistas de caloria vazia, porque ele tem caloria, mas não nutre.

Nas grandes cidades, a maioria das pessoas não tem contato com hortas e  plantações. Muitas vezes as pessoas nem conhecem o formato e sabor dos legumes, verduras e frutas. Vá até uma feira, um hortifruti, experimente novas receitas!

Uma alimentação saudável, com nutrientes como vitaminas e minerais,  pode combater os radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento, precoce ou não.

Se você quer ter uma alimentação saudável, que seja para o resto de sua vida. Então as mudanças devem ser aos pouquinhos. Não se desespere se comer chocolate demais um dia. O problema não é comer guloseimas, é só  comer guloseimas!

Estabeleça metas, coma prestando atenção no que está fazendo e não sentado no computador, trabalhando, ou assistindo tv, distraído, sem saborear a refeição.  E, lembre-se: comece a selecionar melhor seus alimentos, mastigar bem, tentar fazer uma refeição mais tranquila, mais devagar, em horários regulares. Sua qualidade de vida  e sua saúde agradecem!

O que fazer e o que não fazer

E os pais?

Veja também: Obesidade: uma nova epidemia?

versão para impressão: versão para impressão