Aumentar tamanho da letra  Reverter ao tamanho original Diminuir tamanho da letra  english español

Gravidez na adolescência aumenta no Brasil

Por: Anna Beatriz Galdino Sarmento

Cerca de 1,1 milhão de adolescentes engravidam por ano no Brasil e esse número continua crescendo. Hoje, 65% das mulheres grávidas têm menos de 20 anos, segundo dados fornecidos pelo Hospital São Paulo, em estudo realizado entre 1996 e 1998.

A gravidez precoce é uma das ocorrências mais preocupantes relacionadas à sexualidade da adolescência, com sérias consequências para a vida dos adolescentes envolvidos, de seus filhos que nascerão e de suas famílias.

A maioria dessas adolescentes não tem condições financeiras nem emocionais para assumir a maternidade. Por causa da repressão familiar, muitas delas fogem de casa e quase todas abandonam os estudos.

Os problemas associados com a gravidez da adolescente concentram-se, mais gravemente, no aspecto indesejado da gravidez e a frequente busca pelo aborto.

Entre as jovens que optam por ter o bebê, 84% têm de 16 a 17 anos, como mostram dados obtidos na Secretaria Municipal de Saúde de Piracicaba. Um número importante delas (68%) teve parto normal.

Outro estudo na área, feito pela Organização Mundial da Saúde, mostra que a incidência de recém-nascidos gerados por mães adolescentes com baixo peso é duas vezes maior que o de mães adultas. A taxa de morte neonatal é três vezes maior.

E o pai da criança? Porque o drama da gravidez em adolescentes não é monopólio das meninas. Afinal, sem a participação do rapaz, não haveria a concepção. Infelizmente, os rapazes, principalmente aqueles que apenas "ficam", dificilmente vão sentir como sendo sua também a responsabilidade sobre a gravidez.

As complicações psicossociais relacionadas à gravidez na adolescência são, em geral, mais importantes que as complicações físicas. Entre os fatos que devem ser levados em consideração, inclusive pela equipe que faz o pré-natal, estão: o abandono do lar dos pais pelas adolescentes, o abandono pelo pai da criança, a opressão e a discriminação social, empregos menos remunerados, a dependência financeira dos pais por mais tempo.

Os casamentos ou coabitação precoces, motivados exclusivamente pela gravidez, têm levado adolescentes a engravidarem mais de uma vez.

Apesar da orientação sobre métodos anticoncepcionais, o número de adolescentes grávidas continua crescendo. Talvez por não terem grandes perspectivas de vida, por descuido ou simplesmente por emoção.

 

versão para impressão: versão para impressão