Aumentar tamanho da letra  Reverter ao tamanho original Diminuir tamanho da letra  english español

Experimente: faça você mesmo uma fotografia astronômica!

Por: Juliana Rocha

Você pode fazer uma fotografia astronômica em sua casa! Para isso, você precisará de uma câmera fotográfica com controles manuais de velocidade e abertura, de um filme de alta sensibilidade (pelo menos 400 ISO), um tripé e um cabo de disparo. Peça ajuda aos seus pais ou avós para encontrar e preparar estes equipamentos.

Para fazer a fotografia astronômica pelo método da câmera fixa, instale a câmera em um tripé para que fique bem firme e imóvel durante a exposição. Caso você não tenha um tripé fotográfico em casa, poderá usar uma base de madeira. Ligue o cabo de disparo à câmera e verifique se ele irá travar o obturador. O obturador é a peça da câmera que limita o tempo da exposição, ou seja, o tempo de entrada de luz necessária para marcar o filme. Regule, então, o obturador para a posição B, que permitirá escolher por quanto tempo o filme será exposto, e ajuste o diafragma para a abertura anterior a maior possível. O diafragma controla a quantidade de luz que entra pela lente da câmera. Depois, selecione foco no infinito (¥). Aponte a câmera para a área do céu que deseja fotografar: experimente primeiro áreas com estrelas conhecidas e mais fáceis de identificar como o Cruzeiro do Sul ou as Três Marias. Aí dispare o cabo e trave-o. Passados 20 segundos, você já pode destravá-lo: sua foto está pronta!

Constelações de Órion e Cão Maior. Planetário/RJ

Constelações de Órion e Cão Maior. Planetário/RJ

É hora de enviar o filme a um laboratório para a revelação. Mas cuidado: mesmo que as fotos tenham ficado boas, pode acontecer do laboratório não querer ampliá-las por acreditar que não há nada nos negativos. Você deverá então assinalar os fotogramas que deseja ampliar: com um pouco de prática fica mais simples perceber onde termina uma foto e começa a outra; para encontrar os limites mais facilmente você pode, durante o processo de fotografia, alternar exposições mais longas e mais curtas. Não exceda os cinco minutos de exposição: em áreas metropolitanas e com muitas luzes, um tempo de exposição longo pode fazer com que a foto vele. Evite, também pelo excesso de luz, as noites de lua cheia para a realização desta atividade.

Você conseguirá resultados melhores quanto mais transparente estiver o céu e mais distante a câmera estiver de locais muito iluminados. Anote todos os dados importantes como: região fotografada, hora, equipamento, tempo de exposição, abertura do diafragma e filme. Assim você documenta seu trabalho e consegue identificar erros e acertos.

A fotografia que você vê aí em cima, por exemplo, mostra as constelações de Órion e Cão Maior e foi feita com um filme Super HG 800 FUJI, uma lente objetiva de 35 mm e tempo de exposição de 30 segundos. 

versão para impressão: versão para impressão