Aumentar tamanho da letra  Reverter ao tamanho original Diminuir tamanho da letra  english español

Quatro meninos, um cachorro e uma gruta

Por: Denise Moraes

Marcel, Jacques, Georges e Simon costumavam passear com seu cachorro em uma região de colinas da França conhecida como Dordogne. No dia 12 de setembro de 1940, em uma dessas divertidas caminhadas, o mascote da turma caiu em um buraco aberto entre as rochas. Tentando salvar o bichinho, os quatro amigos franceses também desceram pelo buraco, carregando apenas um lampião de querosene.

O passeio que os amigos sempre faziam tinha se tornado uma perigosa aventura. Imaginem, entrar numa caverna desconhecida! Eles estavam arriscando suas vidas, pois não sabiam o que podiam encontrar dentro naquele lugar escuro. Não sabiam nem mesmo se iam rever o cãozinho...

Foto: Cultura/França

Foto: Cultura/França

Pouco a pouco a luz fraca do lampião foi iluminando a gruta. Foi aí que os meninos puderam ver dezenas de desenhos nas paredes que os cercavam. Até então eles nunca tinham visto nada igual. Eram muitos traços, figuras de diversas cenas e de animais, desenhadas em diferentes cores.

Sem querer, os meninos curiosos tinham acabado de encontrar um dos mais importantes registros pré-históricos. Aquelas pinturas que eles descobriram foram logo analisadas por cientistas que constataram: as pinturas eram obras de homens que viveram há dezessete mil anos atrás.

A partir da travessura dos pequenos franceses, a gruta de Lascaux foi sendo desvendada. Hoje já se sabe que são cerca de 1500 gravuras nas paredes. Os desenhos de cavalos, veados, ursos, renas e outros animais foram feitos em amarelo, marrom, vermelho e preto. São representações da vida dos homens de Cro-Magnon, forma como são chamados homens que viveram entre 35 e 10 mil anos atrás. As grutas eram as casas desses homens, que buscavam se proteger do frio e de animais ferozes.

Foto: Cultura/França

Foto: Cultura/França

Além das pinturas, também foram encontrados na gruta de Lascaux outros vestígios como ossos, lamparinas, joias, esculturas, restos de alimentos e armas.

Não se sabe ainda ao certo porque estes homens pré-históricos riscavam nas paredes das cavernas. Alguns especialistas afirmam que era um simples passatempo; outros apontam para uma causa religiosa, uma crença desses homens de que podiam aprisionar a alma dos animais desenhados.

Foto: Cultura/França

Foto: Cultura/França

Nada está comprovado. O certo é que esses símbolos já mostravam que os homens de Cro-Magnon buscavam, de alguma forma, se comunicar. E estas formas de comunicação, preservadas em uma caverna, podem ser vistas hoje, milhares de anos depois que foram feitas.

Atualmente a gruta de Lascaux encontra-se fechada para turistas, já que na época em que as visitas eram permitidas muitas paredes foram deterioradas. Mas se você ficou curioso, pode fazer uma visita virtual no site do Ministério da Cultura da França. E então, quer dar um pulinho na gruta francesa? Clique aqui.

Colaboração: Paulo Henrique Colonese e Anna Karla da Silva - Parque da Ciência / Museu da Vida

Voltar à matéria principal

Para saber mais:

GIRARDET, Sylvie. A gruta de Lascaux. Tradução: Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letrinhas. 2000.


 

versão para impressão: versão para impressão