Aumentar tamanho da letra  Reverter ao tamanho original Diminuir tamanho da letra  english español

Ciência

Como diferenciar gêmeos univitelinos?

Os irmãos conhecidos como idênticos são originados de uma única combinação de um óvulo com um espermatozoide, por isso, eles dividem o mesmo DNA. Mas suas diferenças já surgem dentro do útero e vão aumentando com o tempo e a idade.

Leia mais

Gigantes gelados

Gelados e pesados. Assim são os icebergs, verdadeiros viajantes nos oceanos. Saiba mais sobre esses gigantes.

Leia mais

O clima está esquentando!

Você sabe o que é uma estufa? É uma caixa ou casinha de vidro usada por jardineiros e botânicos, onde se criam plantas que precisam de bastante calor para crescer. Mas, e se o planeta inteiro ficasse preso dentro de uma estufa?

Leia mais

Ciclones, furacões, tornados...

Você sabe o que são ciclones, furacões e tornados? Descubra mais sobre as diferenças entre estes fenômenos do clima.

Leia mais

Salgados e rosados

Situado a 30 km de Dacar, no Senegal, o Lago Retba ou Lac Rose (3km2) era, até 2008, o ponto final do famoso rally Paris-Dakar. Sua salinidade chega a 40%, similar ao Mar Morto, o que permite boiar sem afundar. Adaptados às condições extremas, os peixes do lago são quatro vezes menores do que os que vivem em um ambiente normal.

Doenças priônicas em humanos

As doenças causadas por príons são raras e, em geral, têm longos períodos de incubação, às vezes dezenas de anos. São progressivas e estão associadas ao acúmulo de proteínas anormais nas células do sistema nervoso central.

As causam envolvem raras mutações espontâneas ou transmissão hereditária (quando as mutações passam de pais para filhos). Podem também ser transmitidas pela ingestão de alimentos contendo príons e por procedimentos médicos que envolvam uso de tecidos bovinos ou humanos.

Doença de vaca-louca pega em humanos?

Em 1996, surgiram os primeiros casos de uma nova doença progressiva e fatal, associada ao sistema nervoso central. Os sintomas eram muito semelhantes aos da Doença de Creutzfeldt-Jakob (DCJ), descrita na década de 1920. Trata-se de uma doença rara, progressiva e fatal, que afeta o sistema nervoso central e, ao que tudo indica, é causada por príons (proteínas de formato anormal capazes de transformar proteínas normais em novos príons). Existem evidências de que a DCJ seja uma causada por uma mutação rara que leva certas proteínas a adquirirem um formato anormal, em geral manifesta-se durante a velhice.

A nova doença, considerada uma variante da Doença de Creutzfeldt-Jakob (vDCJ), afetava pessoas mais jovens, com menos de 30 anos. Evidências mostraram que os casos estavam associados ao consumo da carne bovina contaminada pela doença-da-vaca-louca (ou EEB).

Vacas ficam loucas?

Em novembro de 1986, uma nova doença foi descrita nos rebanhos bovinos do Reino Unido. Animais tornavam-se mais arredios e isolados, recusando-se a passar em porteiras ou entrar em espaços estreitos. Ficavam mais sensíveis aos sons e moviam as orelhas rapidamente, rangendo os dentes e se lambendo de modo repetitivo. Em pouco tempo, mesmo animais mansos se tornavam agressivos e agitados. Os sintomas evoluíam, afetando a coordenação motora e, em seguida, levando os animais a ficaram deitados. A maior parte deles morria entre um e dois meses após o início dos sintomas. E embora muitos animais fossem atingidos, a doença não passava diretamente de um para outro.

A análise dos animais mortos mostrou que os sintomas eram causados por lesões no sistema nervoso central (encéfalo e medula espinal). Visto ao microscópio, o cérebro do gado tinha um aspecto esponjoso, com inúmeros “buracos” entre as células. Por isto, a doença foi chamada de encefalopatia espongiforme bovina (EEB). Os sintomas, no entanto, deram origem ao nome popular: doença-da-vaca-louca.

Moléculas infecciosas: príons

Não é novidade que microrganismos podem causar doenças. A ideia de que bactérias, protozoários e fungos podem invadir e prejudicar nosso corpo não soa estranha, afinal, são seres vivos. Até mesmo vírus, situados no limite entre o vivo e o não vivo, são reconhecidos por causarem gripes, aids, dentre outras doenças.

Mas será que algo sem vida, ainda menor e mais simples que um vírus, pode ser perigoso para nós? Uma simples molécula, por exemplo, pode entrar no nosso corpo e provocar doenças?

Os príons mostram que sim, moléculas podem ser infecciosas.

Sondas Espaciais

O homem conseguiu vencer a gravidade, pisar na lua e até construir estações espaciais. Entretanto, todas essas conquistas, apesar de surpreendentes, são apenas uma gota no oceano do Universo. O espaço fora da Terra é tão grande que, muito provavelmente nunca poderemos conhecê-lo por completo, dadas as dificuldades de observação.

Radar para "encontrar" alimentos deliciosos

Pipoca, brigadeiro, lasanha, bolos, você já deve ter preparado estes alimentos, bem rápido, no micro-ondas. Mas como surgiu este aparelho?

A força dos ventos para gerar energia

Renovável, limpa e disponível. Este é o tipo de energia produzida pelos ventos. Mas como ela funciona e quais são suas reais vantagens e limitações?

Topa um cineminha...em 3D?

Ao entrar na sala de cinema, o funcionário entrega um óculos esquisito. É hora de assistir um filme em “3D”! A imagem sai da tela e invade o espaço, trazendo a sensação de que estamos participando da cena. Você já parou para pensar como essas imagens se formam?

Ondas

Você está cercado por ondas! Mas o que são?

Ondas são a forma que podemos usar para representar vibrações

Energia Nuclear

Para entender sobre energia nuclear, primeiro você tem que entender o que é um átomo. Bem, um átomo é um dos menores elementos que formam a matéria. Sabe-se que 100 elementos químicos combinados de formas diferentes, formam moléculas e a partir daí, diversas substâncias, inclusive o corpo humano. Se alguma coisa for dividida em milhões de partes, sobrarão moléculas e se uma molécula for dividida, sobrarão os átomos. Então você concorda que um átomo é uma coisa infinitamente pequena?

Moinhos: energia hidráulica ou eólica

Os primeiros moinhos surgiram com a procura do homem em moer grãos para produção de farinha, irrigar plantações e moer vegetais para extração dos sucos de forma mais prática. Cerca de 2 mil anos a.C. já existiam moinhos movidos a vento na China, utilizados também para irrigar a plantação. Até hoje a mesma base do mecanismo do moinho de vento é mantida para construção deles, porém, com uma pequena modificação nas hélices externas, que atualmente são mais aerodinâmicas e potencializam mais a força do vento.

Usinas Hidrelétricas: do movimento das águas à eletricidade

É incrível pensar que a primeira hidrelétrica só foi construída pouco antes do início do século XX, já que o funcionamento básico dela é semelhante ao de um moinho movido à água, em diferentes proporções. O Brasil ganhou sua primeira usina hidrelétrica nesta época, na cidade mineira de Diamantina, utilizando a correnteza das águas do rio Ribeirão do Inferno, afluente do rio Jequitinhonha. Com o racionamento de carvão no pós-Segunda Guerra, as hidrelétricas já não eram responsáveis apenas pela iluminação pública, mas também serviam como fonte dos bondes elétricos de cidades como São Paulo e Rio de Janeiro.

Energia Solar-Térmica

Além de gerar eletricidade, através de sistemas fotovoltaicos, a energia solar tem uma forma de aproveitamento muito simples: o aquecimento. Já na Antiguidade, o povo grego utilizava esse sistema, colocando a água em grandes vasos de cobre e quanto mais eles ficavam expostos ao sol, mais aquecida ficava a água, chegando até a fervê-la muitas vezes. Assim como uma caixa d’água que fica no sol o dia inteiro e à noite proporciona ao usuário um banho com temperatura agradável, os sistemas de captação de energia solar para aquecimento não possuem nenhum grau de sofisticação em suas construções.

O homem e o fogo

A primeira energia natural utilizada pelo homem de forma intencional foi o fogo. Quando um raio, que anunciava uma tempestade, incendiava uma árvore, o homem pré-histórico não conseguia ainda ter controle sobre ele. Se o fogo adquirido a partir desse episódio se apagasse, era necessário aguardar por outros incêndios para que se pudesse obter fogo novamente. Mas este fogo já o ajudou bastante a cozinhar seu alimento, a iluminar algum lugar na hora desejada, em seu aquecimento e também para se proteger de animais que não se aproximavam do fogo.

Raios X

Os raios-X são vibrações eletromagnéticas que estão além das ondas ultravioletas. Em doses inadequadas podem provocar danos às moléculas dos sistemas vivos.

Quantos anos você tem?

Para cada planeta do Sistema Solar, temos uma idade diferente, devido ao movimento de translação. Entenda!

Fez-se a luz... e fez-se a lâmpada!

Existem lâmpadas para todos os gostos: entenda como cada tipo funciona e aprenda a escolher a iluminação certa para o que você precisa.

Lâmpada incandescente

Certos materiais – como o ferro, por exemplo –, quando ficam muitos quentes, começam a emitir luz. Chamamos esse fenômeno de incandescência. É assim que funciona o lampião e foi esse o princípio que Thomas Edison seguiu para confeccionar a primeira lâmpada elétrica que deu certo. Hoje existem dois principais tipos de lâmpadas incandescentes: as regulares e as halógenas.

Lâmpada fluorescente ou eletrônica

Pense em um local que precise de iluminação bem clara para todo o ambiente, acesa o tempo todo. O consumo de energia deve ser bastante alto, não é? Por isso, em lugares como escolas, escritórios e hospitais, a iluminação é feita com lâmpadas fluorescentes.

Outros tipos de lâmpadas

Conheça outros tipos de lâmpadas que iluminam por aí.

Vilã ou mocinha? Entenda a radioatividade

Produção de energia, armas, medicina, agricultura, geologia, bananas e água mineral... O que tudo isso tem em comum? Acertou quem respondeu: Radioatividade.

A energia que vem dos átomos

Você sabia que foi Albert Einstein quem descobriu o conceito no qual se baseia a produção de energia nuclear?

A ciência das cores

Qual é a sua cor favorita? Do vermelho ao azul, há cores para todos os gostos. Mas, você já parou para pensar por que quando olhamos para algo vemos uma cor e não outra? Pode parecer estranho, mas as cores não estão nos objetos observados e sim na nossa mente.

Cor: luz ou pigmento?

As cores primárias são um conjunto de cores que, juntas, podem formar todas as outras cores. Elas podem ser criadas a partir de dois materiais muito diferentes: pigmentos ou luz.

Luminol

Criado em 1929 por O. H. Albrecht, o luminol é capaz de reagir com o ferro presente no sangue. Quando entra em contato com essa substância química, o sangue brilha com uma cor azul-fluorescente. Com o uso de luz-negra o brilho pode ser visto mais claramente.

Robô: mil e uma utilidades

Todo mundo já ouviu falar em robôs. Quem não se identificou com o simpático Wall-E, da Disney, ou o corajoso R2D2, de Guerra na Estrelas? Mas... O que é um robô?

Os significados das cores

Desde o Pós-impressionismo as cores não servem apenas para representar a realidade como é percebida pelos sentidos. Muitos artistas as utilizam para expressar sentimentos e estados mentais. Além disso, as cores de bandeiras nacionais também têm significados.

Bagunçando o clima

Em espanhol, meninos são chamados de niños e meninas, de niñas. Mas quando alguém fala em El Niño e La Niña, está falando de dois fenômenos climáticos.

Matemática da gravidade

O peso de um objeto varia de acordo com a gravidade atuando sobre ele. Entenda essa relação através da matemática.

Lua e maçãs: o que é gravidade?

Você já ouviu falar de Isaac Newton? As descobertas deste cientista inglês povoam aulas de física e de ciências. Conta a lenda que depois de observar uma maçã caindo, Newton teve uma ideia que revolucionou o modo de pensar de sua época: a de que a gravidade – força que faz as frutas caírem – também seria responsável por manter a Lua girando em torno da Terra.

Trem-bala

Você já ouviu falar no trem-bala? É um transporte de alta velocidade, que alcança mais de 300 quilômetros por hora. De tão rápido, um trem pode chegar ao seu destino antes de um avião. O Brasil vai construir sua primeira linha de trens de alta velocidade, ligando São Paulo ao Rio de Janeiro. O governo quer tudo pronto para as Olimpíadas de 2016.

Três formas de levitar

Já ouviu falar em Maglev? É a levitação magnética dos trens de alta velocidade, ou trem-bala. Existem três tipos de tecnologia diferentes. Conhece melhor suas diferenças e semelhanças.

O maior desastre dos sete mares

A gasolina vem do petróleo e este pode ser extraído do fundo do mar. Quando alguma coisa dá errado na exploração de petróleo em águas profundas, o mar fica todo sujo de óleo. É o que vem acontecendo nos Estados Unidos, e a empresa responsável não está conseguindo resolver o problema.

O mistério da geração 1: de gansos e árvores

Filho de peixe, peixinho é, diz o ditado popular. Bezerros nascem de vacas, girinos de sapos. É preciso vida para surgir uma nova vida. Parece óbvio, não? Mas nem sempre foi assim. Durante muito tempo acreditou-se que a matéria poderia gerar vida: era a teoria da geração espontânea ou abiogênese.

O mistério de geração 2: o debate pega fogo

O desenvolvimento do microscópio e as novas descobertas sobre a reprodução dos animais limitaram a teoria da geração espontânea ao surgimento de larvas, pequenos vermes e outros organismos pouco visíveis ou invisíveis a olho nu. E a controvérsia continuou durante os séculos XVIII e XIX.

O mistério da geração 3: Pasteur sobe a montanha

Na década de 1860, o debate sobre a geração espontânea finalmente chega ao fim, após uma acirrada disputa entre o  já famoso químico francês Louis Pasteur e o médico e naturalista Félix-Archimède Pouchet.

Caos

Caos - um  tema com beleza própria. O que define caos para os físicos? Conheça mais sobre caos e desordem.

Gravidade e equilíbrio

Alberto aprende no circo o que é lei da gravidade.

O sistema numérico hebraico

Entre os estudiosos que pesquisam a origem dos números ainda paira uma grande dúvida: quem foram os primeiros a usar letras para representar números, os gregos ou os hebreus? Saiba mais aqui.

Um, dois, três e já: com vocês a história dos números

Como muitas outras coisas que fazem parte da nossa vida, os números parecem óbvios. Dá impressão até que eles sempre existiram! Mas a verdade é que o que hoje nos parece tão comum é resultado de um longo processo. Conheça agora a história dos números.

O sistema numérico grego

Quando a gente quer dizer não entendemos nada do que alguém falou, costumamos dizer que a pessoa falou grego. Mas será que os gregos falavam difícil mesmo? E a matemática deles: como será que os gregos representavam seus números? Descubra aqui como era o sistema de númeração dos antigos gregos.

O sistema numérico indiano e sua divulgação árabe

Aqui no Invivo você já aprendeu que os povos primitivos contavam e que, depois deles, vários sistemas de numeração foram criados por diferentes civilizações: mesopotâmica, maia, egípcia, grega, romana, chinesa... Mas você sabe quem inventou a nossa forma de numerar? Conheça então a matemática indiana.

O sistema numérico romano

Você já estudou algarismos romanos na escola? Não entendeu? Pior, esqueceu? Então relembre aqui a forma romana de numerar.

O sistema numérico chinês

Entenda como os chineses escrevem os números. Você tem algum palpite?

Quatro meninos, um cachorro e uma gruta

Em uma tarde de 1940, quatro meninos e um cachorro entraram em uma gruta na França. Dentro da gruta eles descobriram vestígios da vida pré-histórica. E aí, quer saber mais sobre essa aventura?

O sistema numérico maia

Um povo amante da astronomia e criador de calendários. Um reino que precisava contar o tempo e os impostos. Estamos falando dos maias. Leia aqui como eram os números deste antigo povo da América Central.

Arte das cavernas

Você sabe o que é arte rupestre? Descubra aqui.

O sistema numérico mesopotâmico

Escrever números em pedaços de argila que depois iam para o forno. Uma receita mesopotâmica de escrita. Saiba mais aqui sobre esta diferente forma de comunicar.  

O sistema numérico egípcio

Imaginem: um grande reino, muitas pessoas, necessidade de comida, rituais religiosos, divisão de trabalho, projetos arquitetônicos. Muitas atividades complicadas, que precisavam de um registro para que fossem controladas. O reino era o dos egípcios. E como faziam esses egípcios para registrar e controlar tudo isso? Saiba aqui.

Uma história picante

Uma pitadinha a mais de pimenta na comida e, ufa, lá vem aquela ardência na boca! Você pode preferir uma comida mais temperada ou mais suave, mas sabe por que a pimenta arde? Entenda por que os cientistas estão muito interessados nessa plantinha e suas capacidades especiais.

No mundo da animação

Bob Esponja, Meninas Superpoderosas, Shrek, A Noiva-Cadáver... Você sabe tudo sobre animação, certo? Hum... Acho que não. Você já parou para pensar em como esses personagens ganham vida? Como é possível fazer com que os desenhos falem, andem e até lutem? Ou como colocar carros, motos e naves espaciais em movimento?

Por que o céu é azul?

Olhe pela janela e veja o céu: qual a sua cor agora? Olhando da superfície da Terra, o céu assume cores diferentes dependendo da hora. Se for dia, exibe uma cor azul; se estiver no finalzinho da tarde, ganha tons avermelhados; se for noite, fica preto.

Vassoura-de-bruxa

No início dos anos 90, na Bahia, muitos fazendeiros devem ter pensado até se não estavam sendo alvo de algum feitiço. É que uma praga, chamada vassoura-de-bruxa, destruiu plantações inteiras de cacau, fruto que dá origem ao chocolate.

Ih, quebrei o termômetro!

Se você alguma vez deixou um termômetro cair no chão e quebrar, com certeza deve ter estranhado: o mercúrio, líquido, vira umas bolinhas que, se unidas, formam uma bola ainda maior. Esse é mais um mistério para você desvendar!

O Senhor dos anéis

Você já ouviu falar em Senhor dos anéis? Não, não é o filme que conta as aventuras de Frodo para destruir um anel capaz de conferir poderes mágicos. É Saturno, o segundo maior planeta do Sistema Solar.

Os curingas do corpo humano

Por sua capacidade de se transformar em qualquer tipo de célula do corpo humano, as células-tronco abrem novas perspectivas no campo da saúde. Conheça mais sobre estes curingas do nosso organismo.

Miragens no deserto

Um lago rodeado de palmeiras no meio do deserto. Isso é o que se chama de oásis. Ou melhor, seria um oásis, se não fosse apenas uma miragem.

Contando estrelas

Os astros sempre fascinaram os homens, que se dedicam desde os tempos primitivos a observá-los e entendê-los. Conheça mais sobre tipos de estrelas e sua formação.

O que são furacões?

Furacão, tufão e ciclone são nomes regionais para fortes ciclones tropicais. Os meteorologistas chamam de ciclones tropicais as grandes quantidades de ar com baixa pressão atmosférica que se movem de forma organizada sobre os mares da região equatorial da Terra.

No mundo da lua

Como num passe de mágica, o piloto começa a correr, desce a rampa e, num instante, falta chão para continuar correndo. E já está no “mundo da lua”: simplesmente voando!!!

O estudo da doença no passado

Sociedades incas, populações japonesas de 400 a.c. e múmias  do Egito já apresentaram doenças e infecções provocadas por parasitos. Mas como descobrir a ocorrência e evolução de doenças parasitárias em épocas antigas?

Os dinossauros do Brasil

O Brasil também foi um paraíso para os dinossauros. Recentemente, pesquisadores do Museu Nacional e do Departamento Nacional de Produção Mineral desenterraram Rondon II, um dinossauro carnívoro de sete metros de comprimento. Todas as imagens utilizadas são do acervo do Museu Nacional.

Clonagem: reprodutiva ou terapêutica?

Lygia Pereira, do Instituto de Biociências da USP, ressalta as diferenças entre clonagem reprodutiva e terapêutica e destaca a importância da pesquisa com células tronco embrionárias.